Parque Tecnológico da UFRJ investe R$ 450 mil reais em apoio a projetos de extensão e pesquisa da Universidade

Parque Tecnológico da UFRJ investe R$ 450 mil reais em apoio a projetos de extensão e pesquisa da Universidade

08/09/2014

O Conselho Diretor do Parque Tecnológico da UFRJ aprovou o apoio a três atividades discentes da universidade. O aporte será realizado para o estímulo e desenvolvimento dos seguintes projetos: Prêmio Gilberto Velho de Teses, de reconhecimento às melhores teses de doutorado; o Esporte Representativo da UFRJ, de competições esportivas; e o UFRJ Desafia, de competição tecnológica. No total, serão destinados R$ 450 mil para estas iniciativas.

O Prêmio Gilberto Velho de Teses é apoiado pelo Parque Tecnológico da UFRJ desde a sua criação, em 2013, e, este ano, contará com recursos da ordem de R$ 50 mil, destinados à premiação dos vencedores. O projeto, em parceria com a Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, premia as cinco melhores teses de doutorado defendidas no ano na universidade em cinco áreas distintas: Ciências da Vida, Ciências Tecnológicas e da Natureza, Ciências Sociais e Humanas, Letras e Artes, e Tese Inovadora. Cada vencedor ganhará uma quantia de R$ 10 mil e, seus orientadores, uma viagem nacional para a participação em eventos científicos.

O Esporte Representativo Esportivo da UFRJ, projeto promovido pela Coordenação de Esportes da Escola de Educação Física e Desportos (EEFD) e pela Divisão de Esportes, Cultura e Lazer da Superintendência Geral de Políticas Estudantis (SuperEst), receberá R$ 200 mil do Parque esse ano. A atividade exclusivamente esportiva existe há 40 anos e é formada por alunos que representam a UFRJ nas competições universitárias brasileiras. “Nossa maior virtude é a de trabalhar com um grupo que compete pelo simples prazer de jogar, de manter sua chama interna esportiva viva”, afirma Telma Fernandes, diretora da Divisão de Esportes, Cultura e Lazer da SuperEst. Atualmente, o projeto conta com a participação de cerca de 350 acadêmicos-atletas, além de docentes e servidores técnicos, nas modalidades esportivas de atletismo, basquete, futsal, handebol, judô, natação e voleibol, categorias feminina e masculina, e futebol masculino.

Já o projeto UFRJ Desafia é um grupo de competição do Centro de Tecnologia da UFRJ entre diferentes equipes acadêmicas de engenharia.  As cinco equipes que participam do projeto são: Minerva Bots, responsável por criar robôs de que participam de competições internacionais de luta; Ícarus, equipe de Fórmula SAE (Society of Automotive Engineers), de projeção e construção de um protótipos de carros do tipo “fórmula”; Minerva Aerodesign, de construção de aeronaves voltados para competição no Centro Tecnológico da Aeronáutica, em São José dos Campos (SP); Minerva Baja, para criação de protótipos de veículos off-road para competir nacionalmente; e Solar Brasil, para construir barcos de competição movidos a energia solar. O Parque Tecnológico apoiará o projeto com R$ 200 mil este ano para auxiliar os alunos a desenvolver seus projetos e, dessa forma, obterem experiência necessária para a realidade do mercado empresarial, estimulando o trabalho em equipe e a aplicação do conhecimento teórico assimilado na Universidade. “A UFRJ Desafia aumenta a qualidade técnica das equipes e, por consequência, o status da Universidade dentro dos eventos que participa, tanto em âmbito nacional e internacional”, afirma João Carlos Basílio, diretor da Escola Politécnica.

Segundo Leonardo Melo, coordenador de Articulações Corporativas do Parque, “a intenção é aproximar cada vez mais o Parque das atividades que são ligadas aos alunos da universidade, pois os projetos discentes são fundamentais para consolidar a UFRJ como um pólo inovador, jovem e antenado com as demandas do Século XXI”.